Loading...
Prosas

Meu crime: twittar o que pensei

Eu estava com um assunto em mente bem bonitinho para postar nesse primeiro dia útil de 2011. Light, cheio de esperanças, desejos de um ano melhor e todos aqueles bla, bla,blas. Era bacaninha e valia a pena.


Mas quando eu abri meu twitter hoje vi que estava sendo acusada de criminosa, incitadora da violência e sendo chamada de degenerada, filha de pais degenerados e ainda sendo comparada a Mayara Petrusso ou aos meninos que espancaram homossexuais na Avenida Paulista.


Demorei um pouco a entender. Nem sabia o que estava acontecendo. Fiquei meio chocada nos minutos iniciais, até que minha ficha caiu. E depois dela cair comecei a rir. Vamos voltar no tempo e entender o que aconteceu para eu ser tudo isso de que me acusaram.


No sábado estava na minha bela casa, com a TV ligada e a o computador em punho. Fazendo coisas bem domesticas como costurar roupas e por a casa no lugar. A TV ligada mostrava a posse da presidente eleita Dilma. Ou melhor mostrava o show da Dilma.  Show no sentido de espetacularização. Milhões de reais gastos para montar o circo da posse de qualquer presidente. E, por favor, me entenda, não é porque é a Dilma, mas qualquer um que tivesse ganho a eleição teria tido o mesmo show. Esse fato já me revolta. Afinal, enquanto o salário mínimo aumenta 30 reais por falta de verbas do governo, se gasta horrores para fazer uma posse, 110 milhões para reformar o Palácio do Planalto para o novo presidente. E ainda por cima os senadores, deputados e vereadores tem aumentos significativos em cima dos impostos que nós pagamos.


Ouvindo e vendo isso na TV twittei: 110 milhões pra reformar o palácio do planalto, aumento para senadores, deputados e vereadores e o salário mínimo sobe só 30 pila?


E em seguida postei: Enquanto o povo passa fome se diverte com o show da Dilma! Parabéns Brasil!


Segui olhando na televisão o Show da Dilma e cada vez me revoltava mais. Afinal a imprensa toda fazendo um carnaval de uma coisa que deveria ser normal. Se somos uma democracia e de 4 em 4 anos mudamos de presidente, precisa isso tudo? Acredito que não. Se faz parte de nossa cultura deveria ser natural.


Não votei na Dilma. Não votaria nela. Tenho convicções e posições politicas bem definidas. E nem é por que ela é cobra criada de Lula. Porque acredito que ele fez um bom governo. Alguns escândalos, algumas irresponsabilidades, coisas que “nunca antes na história do Brasil” tinham acontecido. Mas para mim, veja bem, é minha opinião, um tanto quanto assistencialista demais o governo do Tio Lula. Não foi o primeiro e nem será o último. Infelizmente é mais fácil dar o peixe que ensinar o povo a pescar.


Bom, voltando as minhas twittadas, olhando todo o carnaval pensei e twittei: Confesso que eu estou olhando o show da Dilma esperando por algum louco acertar um tiro nela. #pqeusoudessas

Esse foi o motivo de ser chamada de tudo aquilo que falei lá em cima. Agora preste bem atenção no que eu vou dizer. Eu não mandei ninguém pegar uma arma e atirar na presidente eleita. Eu não incitei a violência. Eu não quero que a mulher morra. Por mim, ela que seja muito feliz, mas sim, não queria que ela fosse presidente do Brasil. Não acho ela uma pessoa realmente preparada, não acredito que ela servirá de fantoche do Lula e nem em todas as teorias que os grandes cientistas políticos espalham por ai. Usei essa figura linguagem de forma ironica. Mas enfim usei ela e agora sou chamada de criminosa.


Mas ai me pergunto. Sou criminosa por ter expressado virtualmente algo que passou na cabeça de milhares de pessoas. Algo que passa até na cabeça de quem faz parte do governo, afinal se não passassem não teria necessidade de uma esquema de segurança forte.


Em plena campanha, quando agrediram o Serra, os agressores foram chamados de baderneiros. E muitas, mas muitas, pessoas acharam lindo. legal e ainda disseram que deveriam ter batido mais no candidato.Para mim, isso sim é incitar a violência.


Os blogs que me acusaram e usaram o meu nome são http://cbjm.wordpress.com/ e http://www.blogcidadania.com.br/. O primeiro não tem o nome de quem os faz. Ou seja, é o blog que alguém que não tem nem coragem de mostrar a cara. O segundo é de um cara chamado Eduardo Guimarães que eu nunca tinha ouvido falar.


Antes de escrever esse post-defesa, fui dar uma navegada pelos blogs, até para ver se era coisa de gente séria, de bons jornalistas, de pessoas responsáveis. Não vou nem perder meu tempo tecendo conclusões sobre esses blogs/pessoas. Se quiserem os links estão ai para que cada um tire suas próprias conclusões. A única coisa que faço questão de falar é que bons profissionais sempre tem seu lugar ao sol e não precisam criar motivos e envolver outras pessoas para se promoverem. Respeito a opiniões diferentes faz parte da formação de um bom jornalista.


Sim eu pensei que poderia um louco atirar na Dilma. Não eu não incitei ninguém a pegar uma arma e matar a PRESIDENTA. Sim eu respeito a opinião dos outros. Não eu não tolero preconceito e falsas acusações.  


E se começamos o governo assim, com o silencio das ditaduras, e não o barulho da imprensa livre, começamos mal. Muito mal. Um curso de interpretação de texto, leitura e principalmente de saber ouvir não faria mal a ninguém.



Você também pode gostar...

15 comments
  1. de mau humor

    Luisa. Eu respeito tua opinião sobre a Dilma, tuas posições políticas e opiniões. Até porque ela não foi eleita por unanimidade. Mas tu não acha que errou ao tuitar a história do tiro? Não acha que é preciso ter cuidado com estas coisas? Tu achas realmente que devemos publicar tudo que pensamos? A história do tiro na Dilma não é diferente daquela dos nordestinos não, Luisa. Foram milhões de pessoas falando em matar um nordestino. E neste caso foram milhoes de pessoas falando que esperavam que Dilma tomasse um tiro. Mesma situação. É claro que eu não acredito que tu sejas criminosa ou que tinha intenção de incitar a violência. Mas teu tuite permitiu essa interpretação, se somou a outros milhares que falaram em tiro na Dilma. Não achas que tua atitude foi irresponsável? Aquilo não foi uma opinião. Foi uma brincadeira sem graça que se somou a milhares. E no twitter, muitas vezes, é difícil detectar ironia, brincadeira. O que está escrito toma o campo da interpretação livre.O Eduardo Guimarães é um blogueiro antigo que escreve sobre política e mídia e fez campanha pra Dilma. É natural que ele tenha ficado revoltado com isso. Como é natural que tu tenha se indignado com a acusação. Mas foste descuidada, não é.

  2. Luísa Aranha

    Silvana,

    Não acho que errei ao twittar sobre o tiro. Para mim existe uma diferença muito grande entre "pegue uma arma e mate","vou matar" e "estou vendo para ver se algo acontece". Acredito que continuamos numa mesma situação porque as pessoas não falam o que pensam e fazem uma política de boa vizinhança hipócrita. Dizer para matar é bem diferente de dizer que está se esperando que alguma coisa aconteça. Meu twitter pode até ter permitido essa interpretação, mas não acredito que em pessoas inteligentes e com bom senso. Irresponsável é a atitude de chamar de degenerado, criminoso ou qualquer outro adjetivo que qualifique uma pessoa. Isso é acusação, calunia e difamação. Pode ter sido uma brincadeira sem graça na sua interpretação. Se ele ficou revoltado por ter participado da campanha e ser Dilma até morrer, deveria ter esperado a cabeça esfriar antes de falar o que falou. E ele, pelo menos,coloca a cara a tapa dizendo quem ele é. Agora o blog que ele segue e de onde copiou as informações, não tem identificação de quem são os autores e é um tanto quanto tendecioso. Mais uma vez te afirmo não estou indignada, irritada ou qualquer outra coisa com a acusação. Tirei sarro dela e me dei o direito a explicar e responder, em meu blog, para quem me acompanha, o que havia acontecido. Respeito a opinião deles de me chamarem de criminosa, respeito a sua de achar que foi infantil e irreponsável da minha parte e me dou o direito a responder em meu espaço, sem comprar brigas, fazer alardes ou tentar ficar famosa e conseguir meus 15 minutos de fama como outros por ai.

  3. claudia

    Bah Luisa, nós e nossos dedinhos!
    Aqui em casa tivemos o mesmo pensamento, nem por isso somos uma familia criminosa.
    Deixa as "Branca de Neve" entaladas com a maça. Há pessoas que simplesmente não suportam a verdade.
    E a essas nem um beijo para despertar.
    #chocada!

  4. de mau humor

    Sim, Luisa. Não te considero de forma alguma criminosa ou que tenha incitado violência. Entendi teu ponto de vista. E acho que o Eduardo Guimarães exagera e delira ao afirmar que se trata de criminosos e degenerados. Porque não é isso. E aquele blog eu também não conheço, desconfio e não gosto de blogs sem autoria. Eu sei que o twitter é teu, o espaço é teu, mas reafirmo que nem sempre é bom pra gente dizer tudo o que pensa, se expor assim, como tu fizeste. Ainda mais quem trabalha com jornalismo e, de certa forma, ajuda a formar opinião.E não estou aqui defendendo hipocrisia porque tb não gosto disso. Mas acho legal tu colocar a cara a tapa e responder às críticas.
    E, Claudia, não sei que verdade tu estás te referindo. tu estás falando de ideologia e não verdade.Ideologia cada um tem a sua.

  5. PatriciaBitencourt

    Lu, comentei ontem de noite no blog do Eduardo Guimarães quando eu li aquele post absurdo, soube do que se tratava e vi que tu tava entre os supostos "incitadores". No meu ponto de vista, temos dois problemas nessa história: fanatismo político (claramente), e alguns analfabetos funcionais (desses que o país está cheio, aliás) e que não são capazes de interpretar corretamente o que lêem por aí. E VALHA-ME Deus; muito me admira que, em pleno ano de 2011, com uma presidenta que sofreu com a repressão da ditadura, ainda tenha militantes que não respeitam opinião contrária.

  6. claudia

    Abster-me-ei de maiores comentarios, pois gente de mau humor e sem formação em vivência Nacional/Internacional, eu só quero uma unica coisa: D I S T A N C I A.
    Pois além de seu proprio umbigo, não conseguem imaginar o quão colorido e animador é o que pretendem ocultar, por receio do desconhecido.
    Fico pasma! Passada mesmo, literalmente abobada com a agressividade gratuita de certas pessoas.
    Pessoas que nunca tem uma boa palavra, que usam a mentira e a calúnia como argumento de defesa, nascem desprovidos de consciência.
    Ai G-zuis, escudo contra maledicência, armadura anti-pragas e perseguições, anti-fofoca.exe, ouvido de mercador e muitas preces!
    Chega ser hilário o chavão: "RESPEITO TUA OPINIÃO" – MAS…
    …só rindo! kkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

  7. de mau humor

    Claudia. Eu não te desrespeitei e lamento teu comentário. Eu tô tentando argumentar aqui e estou dialogando bem com a Luisa. Não entendi porque você foi tão agressiva e gratuitamente.Acho que dá pra contribuir aqui ao invés de fazer ofensas, ok. E Patricia: podemos entender que fanatismo político tem nos dois lados dessa história, tanto dos dilmistas como dos anti-dilma.

  8. Eduardo Ruiz

    Oi! Eu fui aquele que discutiu contigo na hora em que tu falaste sobre atirar na Presidenta. E hoje, quando li aquele blog, imediatamente fui procurar teu nome.
    De fato, não te acho criminosa, só despolitizada mesmo, infantilóide, sem argumentos e sem a noção devida a uma moça da tua idade.
    Teu comentário beira a bestialidade da Mayara Pretuso. Para mim, não é nada diferente da "brincadeira" dela (lembra? Era algo do tipo "mate um nordestino afogado").
    Ela também não disse que mataria, assim como tu não disseste. Qual a diferença, afinal?
    São "brincadeiras" como essas, de gente que não vê limite, que levaram jovens a colocarem fogo no índio porque "achavam que era um mendigo", ou de outros que espancaram uma empregada doméstica na parada do ônibus porque "achavam que era uma prostituta", ou, aqui mais perto de nós, em Pelotas, que amarraram uma cadela ao carro e arrastaram o animal por centenas de metros.
    Tudo não passava de uma "brincadeira" de adolescentes, pura diversão e risada.
    Brincadeira tem limite. A crítica política se dá por outras vias: pelo debate, pela discussão coerente, pela defesa de argumentos, nunca pela incitação ao ódio, à violência, e ao preconceito.
    Espero que tu vires a "celebridade" que queres ser, para servir de exemplo a outros irracionais.

  9. Luísa Aranha

    Eduardo,

    Publiquei seu comentário, apesar de achar ele agressivo, e se perceberem não foi isso que aconteceu com os outros.

    Não vou lhe ofender como você está me ofendendo. Nem vou discutir mais com você.

    Respeito sua opinião e espero que sejas muito feliz com tuas crenças e ideologias, mas dou um toque só: Cuidado. Muito cuidado em julgar ou qualificar pessoas baseado em uma ideologia. Quando você crescer verá que o mundo não é assim.

  10. claudia

    (…)
    A crítica política se dá por outras vias: pelo debate, pela discussão coerente, pela defesa de argumentos, nunca pela incitação ao ódio, à violência, e ao preconceito. (…)

    blá blá blá…Faça o que eu digo e ñ faça o que eu faço.
    É isso que o gaúcho disse aí em cima.
    Além do seu umbigo e do RS onde mais vc já morou/viveu? [ñ passar férias…vivência mesmo!]

    Segue o tiroteio…

  11. Eduardo Ruiz

    Olha, Luísa, meu comentário é menos agressivo do que aquele teu que poluiu minha timeline no twitter no dia 1º.
    Sou, como esperas, muito feliz com minhas "crenças e ideologias", pois são elas que me dão ânimo e me tornam menos animal e mais humano.
    Cláudia, teu comentário não merecia nem leitura, quanto mais uma resposta minha.

  12. Luciana

    Em um mundo superficial politicamente correto tudo fica tao triste e entediante. Como respondi no Twitter, repito: estava muito tediosa aquela posse cheia de pompa, nada que um tiroteio ou ameaça de bomba nao resolvesse. Nao, eu nao quero o mal de ninguem, e nao eu nao preciso provar nada pra ninguem nem me explicar. Luisa voce nao errou em "twittar" nada, cada um fala o que quiser, os mais revoltadinhos que usem a carapuça do "nao me toque".

  13. claudia

    Poize Dudu [eduardo Ruiz] eu ainda prefiro uma dura verdade a uma doce mentira.
    Não há o que comentar, vc ofende a Luiza do começo ao fim e se acha politicamente correto.
    I'm sorry!
    Reveja seus conceitos, cresça e apareça!

  14. Eduardo Ruiz

    Concordo com a Luciana quando ela diz que cada um fala o que quiser. Sempre saio em defeso da liberdade de expressão. Mas a liberdade – qualquer que seja – traz responsabilidade, mesmo que pequena, de responder em um blog às acusações feitas.
    Eu posso manifestar, pela fala, preconceitos contra homossexuais, pobres, deficientes, nordestinos, claro que posso, mas o meu direito de expressar meu preconceito, minha raiva e minha ignorância não é maior que o do outro de ter sua dignidade e integridade garantidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *