Loading...
Causos

Dar um tempo

– A gente precisa dar um tempo…

Foi tudo que eu consegui escutar e fiquei pensando que merda aquilo poderia significar. O que ela estava tentando dizer? Ela queria um tempo exatamente do que? Porque eu não entendia como alguém pudesse querer um tempo da gente, da nossa química, dos inesgotáveis momentos de êxtase que estávamos vivendo.
Puta que pariu! Enquanto ela falava sobre um tempo e como seria bom pros dois eu só pensava nela, deitada nua na minha cama, com os olhos arregalados, vibrando cada vez que eu deslizava a mão entre suas pernas e sentia o calor do seu ventre. Eu tentava me concentrar naquela parte da conversa, mas tudo que eu lembrava era do seu quadril arqueando, suas pernas me encaixando e me puxando para dentro dela.  Será que só para mim a gente era algo tão incrível assim?
E quanto mais ela falava que precisava de um tempo, de focar na sua vida, de ter tempo para os amigos, mais eu pensava em como convenceria ela a deixar de lado aquela ideia boba. 
Quando a gente se conheceu foi muito diferente do que qualquer outra garota que já havia passado pela minha vida. Não era só tesão. Era uma conexão. Sabe quando algo se encaixa tão perfeitamente que nada mais pode desgrudar aquelas duas peças? Foi assim com a gente. No momento que os nossos olhos se cruzarem eu soube que a gente seria perfeito em todos os sentidos. Mas ela estava tirando o sentido agora e insistia em desencaixar as peças ajustadas. 
-Eu não acredito em dar um tempo. Já usei essa desculpa mil vezes quando queria me livrar de alguém. Pelo menos tenha piedade de mim e me dê uma despedida condizente com toda esse sinergia que temos.
Eu joguei baixo, sujo, eu sei. Mas eu precisava mostrar pra ela que um tempo jamais nos faria bem. Ela refutou a ideia é continuava dizendo que eu não entendia, não percebia, não queria enxergar como a gente estava se fazendo mal. Agora virou pecado ter tanta sintonia com alguém? Ela tentou sair da sala, mas eu não podia deixar. 
Quando eu segurei o seu braço, num gesto desesperado como quem pede socorro, a eletricidade entre nós entrou em curto. Então ela virou, nossos olhares se encontraram e eu a puxei pro meu perto. E como queimou, ardeu sentir seu rosto enfiado em meu peito. Ela não queria me abraçar, tentou relatar, se livrar de mim, como se eu pudesse lhe fazer mal, mas por fim não resistiu. E eu a envolvi com mais força, segurei sua nuca e beijei sua boca como se eu pudesse me afogar sem o seu fôlego. Se fosse para terminar que pelo menos fosse com uma despedida.
Eu sentia que ela relutava, contra ela mesma, contra seus medo e anseios. Sentia que ela queria mais aquilo do que ir embora, que ela, assim como eu, sabia, que a gente era perfeito um para o outro. E de repente, como num sussurro,  nossas almas se misturaram. E foram tantas palavras de amor e paixão, tantos pedidos para que durasse a eternidade aquele momento, tantas orações para que nunca acabasse, que somente quando vi seu rosto se retorcendo de prazer é que entendi que de nada aquele momento adiantaria pois ela estava obcecada por me afastar. E assim ela fez, me deixando para fora de sua vida, me excluindo de seus pensamentos, me matando um pouco a cada dia. E da nossa perfeição só resistiram as lembranças na minha alma. 

Você também pode gostar...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *