Loading...
#ProjetoCartas

Uma carta para nunca ser enviada

Eu nem sei o que dizer…  Tão difícil falar daquilo que a gente não quer que ninguém saiba. E eu nunca enviarei essa carta porque por mais que eu queira eu não tenho coragem. Ás vezes ela falta na vida, ás vezes a gente deixa coisas de lado, ás vezes eu tenho medo.

Tenho medo de mim, de ti, de nós. Tenho medo do que eu esqueci de falar e do que eu também não quero mais lembrar. Tenho medo de confessar, de admitir, de pronunciar o que eu quero esconder. É mais fácil assim, deixar tudo como está e esquecer o que passou.

Mas nem sempre o mais fácil é o que a vida quer. Os caminhos estão aí para explorarmos e as possibilidades te levam longe. Eu quero ficar perto do que é seguro e por isso admitir que eu tenho algo a dizer é o mesmo que me lançar ao mar sem colete salva vidas.

Prefiro seguir no silêncio do que não foi dito, a expor aquilo que sinto. Decisão fácil, já que o que me mantem forte é tudo que só eu sei e guardo no peito. Não precisa testemunhas ou cartas para confessar que bem lá no fundo eu ainda lembro de todos os detalhes do que vivemos.

Eu não quero enviar essa carta, porque ai não seria mais segredo que eu ainda amo você.

 ————
O blog Causos & Prosas participa do Projeto Cartas, juntamente com o blog parceiro Carpe Diem
————-

Gostou? Então confere meu último lançamento “Sexo Virtual, Amor Real” na nossa livraria.

Você também pode gostar...

13 comments
  1. Jennifer Silva

    Que texto lindoo! Ás vezes é realmente difícil dizer o que sentimos, principalmente nesse momento quando ainda se ama alguém e apenas dizer isso em uma carta, pode fazer com que doa mais, por medo ou apenas porque a pessoa não precisa saber, talvez porque não fará diferença. Adorei o texto, me senti na pele da personagem por um momento haha. Bjss!

  2. Beta Oliveira

    Olá! Há coisas que a gente evita de manifestar porque é assumir que elas se tornaram (ou ainda são, como no texto) reais. A sabedoria está em perceber o momento que exorcizar, deixar ir fará a pessoa ainda melhor. Obrigada pelo texto. Abraços!

  3. Marijleite

    É realmente difícil falar aquilo que não queremos que ninguém saiba, mas talvez seja necessário, no caso, desse amor que ainda existe. Gostei muito do texto, passou uma sensação de intimidade, recolhimento.

  4. Marijleite

    É realmente difícil falar aquilo que não queremos que ninguém saiba, mas talvez seja necessário, no caso, desse amor que ainda existe. Gostei muito do texto, passou uma sensação de intimidade, recolhimento.

  5. Gaby Marques

    Lindo texto, Luisa! As vezes também opto pelo silêncio, por esconder aquilo que sinto, com medo do que a outra pessoa pode fazer com isso. Já escrevi cartas nunca enviadas também, e para mim é uma sensação muito boa colocar tudo pra fora com a certeza que ninguém vai ler.

    Beijos!

  6. cila-leitoravoraz

    Oi Lúísa, sua linda, tudo bem?
    Eu sou uma pessoa muito tímida, então, fujo de exposição naturalmente. Mas aprendi com a vida que não devemos guardar o que sentimos, não vale a pena. E sabe, o argumento de não se machucar? Não falar também machuca. Acho que sempre iremos nos machucar, melhor falar então. Mas existe um outro lado dessa questão: a autodefesa. Em alguns casos, sempre irei escolher não falar, não mostrar minha opinião, pois também aprendi com a vida, a escolher minhas lutas. Algumas não valem a pena o sacrifício, é só a gente que sai perdendo. Adoro seus textos, sempre me levam a refletir.
    beijinhos.
    cila.
    http://cantinhoparaleitura.blogspot.com.br/

  7. Ana Paula Lima

    Oiii!!

    Eu estou a cada dia mais encantada com sua escrita! Se comunicar por carta é uma das melhores coisas eu também costumo escrever para desabafar, e por muitas vezes, não envio.
    Gostei!

    Beijinhos

  8. Joyce

    Ola lindona amei esse texto, nem sempre é fácil guardar tudo que sentimos no peito, os sentimentos as vezes se tornam uma carga emocional pesada quando guardada a sete chaves. beijos

    Joyce
    Livros Encantos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *